sexta-feira, 10 de agosto de 2018

O SÓCIO – John Grisham


Desde que assisti ao filme “A Firma”, fiquei muito curioso para ler algum livro do John Grisham, cujas obras inspiraram outros filmes como “O Dossiê Pelicano” e “O Homem que Fazia Chover”. E enfim surgiu a oportunidade, com “O Sócio”.

Eu chamaria o estilo de “suspense jurídico”, com uma narrativa bem seca e direta e a trama envolvente e bem embasada pelos conhecimentos legais do autor. Um detalhe interessante é que parte do enredo acontece no Brasil. A história funciona bem e prende o leitor.

Contudo... à medida que fui avançando na leitura, experimentei um crescente mal estar, não pela história em si, mas pela sociedade que ela retrata e reflete. O “herói” do livro é um advogado que rouba uma imensa fortuna de outros advogados ladrões, e se vale de sua grande habilidade como advogado para driblar o sistema.

O que me fez pensar no sistema legal como um todo, com suas leis que são criadas pelos poderosos, com o intuito de proteger os interesses dos poderosos. Leis que nada têm a ver com justiça ou ética, e que são grandes responsáveis pela sociedade tão degenerada em que vivemos. Um dos maiores canalhas que tive o desprazer de conhecer gostava repetir, sorrindo cinicamente: “não tenho o menor problema em ser imoral ou antiético, só não quero agir de forma ilegal.”

O que me lembra a reflexão de Hermann Hesse sobre o sistema jurídico: de todas as loucuras inventadas pelo homem, essa é a mais incompreensível.

O que me leva a fechar essa resenha com o tristemente verdadeiro ditado: “existem advogados porque existem advogados”.

sábado, 4 de agosto de 2018

'TODO DIA É SEGUNDA-FEIRA' - José Mariano Beltrame

Um livro de autoria de José Mariano Beltrame, em depoimento a Sérgio Garcia - com texto de Sérgio Garcia e Eliane Azevedo. José Mariano Beltrame podia ser apenas mais uma presença efêmera na cadeira da Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, afinal nenhum dos seus antecessores durou mais do que três anos no cargo. José Mariano podia nunca ter se tornado o secretário Beltrame. Podia ter continuado nas suas tarefas como policial federal, dedicando a vida à investigação de complexos casos de tráfico internacional de drogas, pelos quatro cantos do Brasil. Podia nunca ter saído de sua cidade natal, Santa Maria (RS). Mas ele estava trabalhando, em seu cargo, na Polícia Federal - na sede da cidade do Rio de Janeiro - em 2006, quando a segurança pública passava por mais uma crise sem precedentes. Isso mudaria, de forma radical, a sua história e a da cidade que escolheu morar. Beltrame aceitou o desafio de assumir a Secretária de Segurança Pública e se tornou o mais conhecido - e duradouro - secretário de um estado marcado e conhecido mundialmente pela violência.
Resenha:
Neste livro, ele divide experiências e angústias, revela bastidores dos momentos mais tensos no cargo e faz um relato minucioso da reunião que antecedeu  a ocupação do Complexo do Alemão - uma das maiores favelas da capital fluminense - em  2010. Revela também, detalhes de muitas operações em diversas favelas do Estado do Rio de Janeiro. José Mariano Beltrame passa a realidade sobre a violência do Rio de Janeiro e os problemas que um Secretário de Segurança Pública de um estado Brasil passa para resolver as questões de sua área. E muitos problemas que o mesmo passou ainda permanecem e os seus sucessores não conseguiram manter o padrão de qualidade e, infelizmente, a violência piorou demasiadamente.

Fonte: http://literalrj.blogspot.com/

domingo, 29 de julho de 2018

'O VENDEDOR DE SONHOS - O CHAMADO' Augusto Cury

Livro de Augusto Cury - psiquiatra, psicoterapeuta e escritor conhecido e reconhecido mundialmente, cria aqui sua fábula urbana definitiva: como as pessoas comuns se tornam especiais em busca do amor à vida.
O Vendedor de Sonhos (O Chamado) é uma história de um homem desconhecido que tenta salvar da morte um suicida. Ninguém sabe sua origem, seu nome, sua história. Proclama aos quatro ventos que as sociedades modernas se converteram em um hospício global. Com uma eloquência cativante, começa a chamar seguidores para vender sonhos... Nada tão belo e tão estranho. Ao mesmo tempo em que arrebata as pessoas e as liberta do cárcere da rotina, arruma muitos inimigos. Será ele um sábio ou o mais louco dos seres? Um romance que fará o leitor chorar, rir e pensar muito!
Resenha:
Livro extraordinário de um autor super inteligente. Uma história que nos faz entrar no contexto dela, como se fôssemos um personagem. Na minha opinião, um livro (que é enquadrado como Auto Ajuda) que pode ser definido como base em história real, devido ao fato de as passagens dos seus personagens nesta história serem tão reais com o que vemos e passamos em nosso dia a dia. Uma lição de vida que podemos aplicar em nossas rotinas. Vale muito a pena o investimento e a leitura, eu indico a você. Boa leitura e até a próxima.

quarta-feira, 25 de julho de 2018

DIA DO ESCRITOR - 25 DE JULHO

Hoje é dia 25 de julho, comemora-se o Dia do:
- Quanto você cobra para publicação de meu original? A tiragem é no mínimo 1000 exemplares? Mas a princípio eu queria uma tiragem de 150 exemplares, podemos negociar?
- Meu 'filho'! Olha que lindo, consegui publicar...
- Gostaram de minha publicação?
- Meu 'filho' na vitrine das maiores livrarias daquela grande cidade, vou chorar...
- Meu Deus! Estarei na Bienal do Livro no Stand da Editora com meu livro.
- Corram! Hoje tem seção de autógrafos do meu livro na Livraria...
Parabéns, escritores/autores... Todos merecemos o maior sucesso do mundo. O que seria do mundo sem escritores/autores? A Literatura Mundial agradece...
A Literal RJ e o perfil do Instagram: @apenasumleitor_oficial parabenizam todos os que dão vida à literatura.

segunda-feira, 23 de julho de 2018

TONS DE ROSA - Karla de Luna

Sinopse: Amigas desde a adolescência seguem caminhos diferentes, vivendo amores e paixões. Mas seus destinos se cruzam e se entrelaçam, revelando a forte amizade que prevalece entre elas. Nem mesmo os acontecimentos inusitados são capazes de abalar essa relação.
Suas personalidades distintas descobrem gostos em comum, sabores e vinhos. Seja em Londres, na região da Toscana, ou numa ilha qualquer no Mediterrâneo, elas vão se revelar e marcar suas histórias. Tentarão manter seus encontros, mesmo seguindo seus sonhos e objetivos. A dedicada Ana Paula, segue a risca sua vocação, estudando para se tornar médica. Em contrapartida Judite gosta de viver rodeada de gente no mundo de festas e eventos. Enquanto Mabel, na Espanha, procura realizar o sonho de ser uma chef de cozinha. Já Nalu, descobre sua aptidão na vinícola de sua família e mais tarde na Califórnia, se aperfeiçoando cada vez mais no mundo dos vinhos. 
Mesmo com suas rotinas distintas e o acaso que pode provocar uma mistura de sentimentos, a sensibilidade e o perdão vão decidir o rumo de suas vidas.
==================================

O blog Literal RJ e  o perfil do Instagram @apenasumleitor_oficial indicam este excelente trabalho da escritora Karla de Luna.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

LITERATURA E SUA DEFINIÇÃO

Literatura é a técnica de compor e expor textos escritos, em prosa ou em verso, de acordo com princípios teóricos e práticos; o exercício dessa técnica ou da eloquência e poesia. A palavra Literatura vem do latim "litteris" que significa "Letras", e possivelmente uma tradução do grego "grammatikee". Em latim, literatura significa uma instrução ou um conjunto de saberes ou habilidades de escrever e ler bem, e se relaciona com as técnicas da gramática, da retórica e da poética. Por extensão, se refere especificamente à arte ou ofício de escrever. O termo Literatura também é usado como referência a um conjunto escolhido de textos como, por exemplo a literatura portuguesa, a literatura espanhola, a literatura inglesa, a literatura brasileira, a literatura japonesa, etc.
Mais produtivo do que tentar definir Literatura talvez seja encontrar um caminho para decidir o que torna um texto, em sentido lato, literário. A definição de literatura está comumente associada à ideia de escrita de letras. Entretanto, nem todo texto é literário. A própria natureza do caráter estético, contudo, reconduz à dificuldade de elaborar alguma definição verdadeiramente estável para o texto literário. Para simplificar, pode-se exemplificar através de uma comparação por oposição. Vamos opor o texto científico ao texto literário: o texto científico emprega as palavras sem preocupação com a beleza, o efeito emocional. No texto literário, ao contrário, essa será a preocupação maior do escritor(autor). É óbvio que também o escritorbusca instruir, e perpassar ao leitor uma determinada ideia; mas, diferentemente do texto científico, o texto literário une essa instrução à necessidade à recepção. O texto científico emprega as palavras no seu sentido dicionarizado, denotativamente, enquanto o texto literário busca empregar as palavrascom liberdade, preferindo o seu sentido conotativo, figurado. O texto literário é, portanto, aquele que pretende emocionar e que, para isso, emprega a língua com liberdade e beleza, utilizando-se, muitas vezes, do sentido metafórico das palavras.
A compreensão do fenômeno literário tende a ser marcada por alguns sentidos, alguns marcados de forma mais enfática na históriada cultura ocidental, outros diluídos entre os diversos usos que o termo assume nos circuitos de cada sistema literário particular.
Assim encontramos uma concepção "clássica", surgida durante o Iluminismo (que podemos chamar de "definição moderna clássica", que organiza e estabelece as bases de periodização usadas na estruturação do cânone ocidental); uma definição "romântica" (na qual a presença de uma intenção estética do próprio autor torna-se decisiva para essa caracterização); e, finalmente, uma concepção "crítica" (na qual as definições estáveis tornam-se passíveis de confronto, e a partir da qual se buscam modelos teóricos capazes de localizar o fenômeno literário e, apenas nesse movimento, "defini-lo"). Deixar a cargo do leitor individual a definição implica uma boa dose de subjetivismo, (posturaidentificada com a matriz romântica do conceito de "Literatura"); a menos que se queira ir às raias do solipsismo, encontrar-se-á alguma necessidade para um diálogoquanto a esta questão. Isto pode, entretanto, levar ao extremo oposto, de considerar como literatura apenas aquilo que é entendido como tal por toda a sociedade ou por parte dela, tida como autorizada à definição. Esta posição não só sufocaria a renovação na arteliterária, como também limitaria excessivamente o corpus já reconhecido.
De qualquer forma, destas três fontes (a "clássica", a "romântica" e a "crítica") surgem conceitos de literatura, cuja pluralidade não impede de prosseguir a classificações de gênero e exposição de autores e obras.
"A Literatura obedece a leis inflexíveis: a da herança, a do meio, a do momento." (Hippolyte Taine, pensador determinista, metade do século XIX);
"O poeta sente as palavras ou frases como coisas e não como sinais, e a sua obra como um fim e não como um meio; como uma armade combate." (Jean-Paul Sartre, filósofofrancês, século XX;
"É com bons sentimentos que se faz Literatura ruim." (André Gide, escritor francês, século XX);
"Apesar de encolver algumas questões estéticas, a Literatura não pertence ao campo das artes, e vai operar-se nos seus elementos intrínsecos, a matéria e a forma da escrita e do verbo. " (LIMA, Alceu Amoroso. A estética literária e o crítico. 2. ed. Rio de Janeiro, AGIR, 1954. p 54-5.)
"A Literatura é retransmitida através dos signos da escrita língua para as formas, que são os gêneros, e com os quais ela toma corpo e nova realidade. Passa, então, a viver outra vida, autônoma, independente do autore da experiência de realidade de onde proveio." (COUTINHO, Afrânio. Notas de
teoria literária. 2. ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1978. p. 9-10).
POESIA
Provavelmente a mais antiga das formas literárias, a poesia consiste no arranjo harmônico das palavras. Geralmente, um poema organiza-se em versos, caracterizados pela escolha precisa das palavras em função de seus valores semânticos (denotativos e, especialmente, conotativos) e sonoros. É possível a ocorrência da rima, bem como a construção em formas determinadas como o soneto e o haikai. Segundo características formais e temáticas, classificam-se diversos gêneros poéticos adotados pelos poetas.
TEXTO DRAMÁTICO
O texto dramático, é a forma literária clássica, composta basicamente de falas de um ou mais personagens, individuais (atores e atrizes) ou coletivos (coros), destina-se primariamente a ser encenada e não apenas lida. Até um passado recente, não se escrevia a não ser em verso. Na tradição ocidental, as origens do teatro datam dos gregos, que desenvolveram os primeiros gêneros: a tragédia e a comédia. O escritor e autor de textos dramáticos é chamado dramaturgo.
Os textos de teatro, letras de uma música; inovações textuais, e os textos dos roteiros para o cinema, também podem ser consideradas obras literárias
FICÇÃO EM PROSA
A literatura de ficção em prosa, cuja definição mais crua é o texto "corrido", sem versificação, bem como suas formas, são de aparição relativamente recente. Pode-se considerar que o romance, por exemplo, surge no início do século XVII com Dom Quixote de La Mancha, de Miguel de Cervantes Saavedra.
Subdivisões, aqui, dão-se em geral pelo tamanho e, de certa forma, pela complexidade do texto. Entre o conto, "curto", e o romance, "longo", situa-se por vezes a novela.

quarta-feira, 4 de julho de 2018

"NO MEU LUGAR - NASCER DO SOL" / TIARA FORTUNA


Sinopse
Aqui sentado a observo de longe. A noite não tinha vida até ela aparecer. A praia não tinha graça sem ela. Ela que é a luz da minha lua e nem desconfia. Eu um cara simples da ilha que todo ano aguardo com ansiedade a sua chegada para as férias. Ela anda distraída como sempre, graciosa como sempre, molhando os pés inocentemente no mar. Como eu queria ser esse mar que ela olha com tanto amor! Que inveja eu sinto dessas praias que ela deseja com tanta sede. Eu que desejo apenas ela. O que ela fará quando souber o que sinto? Não sei. Menina-mulher, fruto proibido. Disso sei. Mas, não dá mais para esconder o brilho em meu olhar quando a vejo. Sei que vou correr o risco de perdê-la de vez. Mas, como posso perder o que nunca foi meu? Por isso continuo invisível a observá-la. Prazer de uma noite de verão. Ela sumiu na praia levando consigo a minha paz. Sua ausência se prolonga e a incerteza do seu paradeiro transforma meus sonhos em vívidos pesadelos. Se acalme! Ela não deu motivos para você se preocupar. Por que, então, meu coração insiste em se alarmar? Agitado abandono o que estava fazendo. Se ao contar até vinte ela não aparecer vou procurá-la. Só para checar. Antes de chegar no dez já estou de pé. A quem estou querendo enganar? Minhas pernas já não me pertencem, elas também anseiam pela dona do meu coração. Onde você está?


Resenha
"No Meu Lugar - Nascer do Sol" é uma obra da baiana Tiara Fortuna, conta sobre a adolescente Aninha. Uma menina de 14 anos que todas as férias de dezembro/janeiro viaja para Jiribatuba com seus pais e seu irmão. Jiriba, como é carinhosamente chamada, é uma cidadezinha na Ilha de Itaparica  (BA) com praias lindas e onde os pais de Aninha são nascidos, sendo a família toda conhecida. O pai de Aninha se formou em medicina e ajuda a todos da cidade. Aninha, a personagem principal da história, ama passar suas férias de verão no local e fica o ano inteiro ansiosa para tal acontecimento. Só que nessas férias tudo muda na vida de todos da família e da cidade. Seus amigos de infância, Cadu e suas irmãs, Daiane e inclusive seus pais. Na família de Cadu, aparecem dois primos dele para visitá-los- Maneca e Joca - e sua irmã mais velha já está namorando há alguns meses. Aninha vive fortes emoções com o primo de Cadu e com o próprio Cadu. Já seu irmão Gabriel, sofre um corte no pé, como de costume tem sempre um acidente com o menino. Seus pais acabam se separando nessas férias, o que entristeceu Aninha e a deixou sem a certeza de que voltaria nas próximas férias de verão.
Duquinho, primo de Aninha e Gabriel também foi passar suas férias em Jiriba e a novidade do rapaz ficou por conta do Jet Ski que ganhou de presente de seu pai, também nascido na cidade e que se elegeu Deputado.
As emoções de Aninha ficam por conta de Cadu e o primo Maneca. Aninha era paquerada por Maneca, que não fazia questão de esconder isso de ninguém, mas o que ela não esperava foi o amor que Cadu sentia por ela e só a revelou na metade de suas férias, apesar da mesma ter percebido sem maldade, achando que era excesso de zelo do amigo, que a revelação se deu graças ao livro "Emma" - de Janne Austen.
"No Meu Lugar" é uma obra que nos faz lembrar de nossas férias. Eu li e me lembrei muito das minhas, quando eu era adolescente e ia às cidades de Rio das Ostras e Cabo Frio, ambas aqui no Estado do Rio de Janeiro. E além de nos fazer sentir uma nostalgia, TiaFor  (assim que eu chamo a minha super amiga Tiara Fortuna) nos deixa com água na boca, pois deu a entender com o final que haverá continuação. Fora que a história é uma inspiração da infância e adolescência de TiaFor, já que frequenta Jiriba desde pequena.
Eu super indico esta obra de arte da escritora Tiara Fortuna, pois é um romance encantador e tem muita emoção e história que não coloquei na resenha, porque vocês tem de ler! Obrigado a todos pela leitura e visita. Obrigado TiaFor pelo excelente trabalho que tive a oportunidade e felicidade em ler. O livro já é o melhor que li e eu o guardei a sete chaves. Ninguém o tira de mim.

O SÓCIO – John Grisham

Desde que assisti ao filme “A Firma”, fiquei muito curioso para ler algum livro do John Grisham, cujas obras inspiraram outros filmes ...